quarta-feira 09 de Março de 2016

Seu filho não tem a sua idade

Categoria(s): , ,

IMG_4740

Na semana passada a gente conversou sobre ter paciência para criar um filho. O tema era “Educar sem gritar” e acho que nunca recebi tantos e-mails e mensagens de mães que se identificaram com o assunto e expressaram o quão difícil é não gritar quando se está no limite da paciência. Então, mamães, vamos falar de algo que é bem importante você lembrar sempre: seu filho não nasceu sabendo de tudo, ele não entende o que é certo e o que é errado até você mostrar isso a ele.

Imagine a seguinte cena: você acordou super cedo – como sempre – para se aprontar, aprontar o filhote, deixá-lo na escola e ir trabalhar. Mas você teve uma noite péssima porque ele acordou muito na madrugada. Você acorda cansada e seu filho não quer, de jeito nenhum, colocar a farda. Não quer comer, começa a fazer birra, a hora vai passando, você mal conseguiu escovar os seus próprios dentes, ele tira o sapato que você acabou de calçar, você o coloca na mesinha, com o copinho de leite e um prato de comida. Ao se virar para tentar terminar de se arrumar, ele pega o copo e joga o leite no chão. Pior: no tapete. Não lhe resta outra coisa a não ser gritar. Ah, resta sim: chorar.

Muito rara uma cena assim na sua vida? Talvez não. São crianças. Elas são assim. Nem nas melhores famílias as crianças são sempre comportadinhas. Elas têm seus momentos de cansaço, de querer chamar atenção ou simplesmente de brincar. Sim, brincar. Ou alguém já explicou para aquele danadinho porque ele não pode jogar o leite no tapete e que isso não é uma brincadeira? Será mesmo que ele sabe disso? Será mesmo que ele entende? Você explicou? Em algum momento você disse: “Filho, não pode jogar o leite no tapete porque suja, meu amor. Agora mamãe vai ter que limpar e você vai ficar sem o seu leitinho”? Ah, e essa frase tem que ser dita num tom de conversa, com carinho, heim? Lembre-se que quanto mais importância você der àquela cena – tipo, gritando: “Saia daí já!!!! Que coisa feia!!!! Se jogar de novo vai apanhar!!” – isso é um prato cheio para uma próxima vez que ele queira chamar a atenção. Então, simplesmente não dê importância. Explique que não pode e porque não pode e pronto, sem estender muito o assunto.

É difícil isso depois de uma noite mal dormida, o cansaço e toda a luta para colocar a farda da criança, quando você já está atrasada para o trabalho? Sim, ninguém está falando que é fácil. Mas muitos pais sequer param para pensar que a criança não sabe que o que está fazendo é tão grave assim.

Colocar de castigo porque ele jogou uma roupinha pela janela? Você sabe do prejuízo por ter perdido aquela roupa, não sabe? Mas seu filho não. Ninguém explicou. Para ele foi só uma brincadeira. Bater na boca dele porque ele te mordeu? A mordida foi brincando ou foi agressiva? Se foi para te desafiar, essa criança precisa de ajuda, de atenção, e não de alguém que ensine ainda mais violência batendo na boquinha dela. Você entende isso, mamãe?

O mesmo acontece quando você quer afastá-lo do perigo. Colocar o dedo na tomada, tocar no ventilador ligado, pegar numa faca ou num copo de vidro… Aí você já falou dez vezes que não pode e a décima primeira já é no grito “Saia daí agoooooooora!! Vai ficar de castigo”. Ok, ele sabe que não pode mexer ali porque você já falou dez vezes. Mas em alguma delas você explicou o perigo daquilo? Então explique. Diga: “Filho, você não pode mexer no ventilador porque ele está ligado e isso aqui vai cortar seu dedinho. Vai doer muito”. Ele é muito novinho para entender? É não, eles entendem. Podem, de início, não entender certas palavras, mas vão entendendo desde sempre o seu tom de voz, o que é certo e o que é errado. E vão perceber que você está dando atenção, explicando com carinho, mostrando os caminhos. Ah, você já explicou sim? Explique mais. Insista. Até uma certa idade, saiba que a criança não assimila muito bem as coisas e ela acaba esquecendo mesmo que não pode fazer determinadas coisas. Diga mais vezes, explique de outras formas, dê exemplos de quem se machucou fazendo aquilo.

A gente não pode tolher demais as crianças. Não dá para dizer “não” com tudo. Elas precisam de uma certa liberdade, de experimentar, de ver o que acontece, por exemplo, quando joga a água do copo no chão. Permita. Deixe seu filho conhecer, viver. Mas, presta atenção: quando disser “não”, é “não”. E pronto. Evite proibir o que você acha que não precisa, mas quando falar que não pode, não dá para voltar atrás. Mesmo – e principalmente – se ele se acabar de chorar, se jogar no chão, der um escândalo etc. Se você ceder, acabou: ele vai entender que basta fazer essa cena que consegue o que quer. E aí você fica totalmente refém disso. Você tem vergonha da birra que ele faz em pleno corredor central do shopping center? Então pare para pensar: ele só faz isso porque ao final você cede. Escute seu filho, abaixe-se na altura dele e pergunte o que ele quer. Se ele fala chorando “Eu quero aquele boneco!”, explique que o boneco é da loja e você não pode comprar agora porque não tem dinheiro para comprar. E pronto. Não insista. Não tem negociação. Ele não pode perceber que há brecha para negociar. Não dá e pronto.

Não exija que seu filho saiba exatamente a gravidade de jogar tinta no tapete, mamãe. Ele não sabe até que alguém explique. Não cobre dele as mesmas reações que você teria, não ache que ele tem que alcançar toda a complexidade que está nas descobertas da vida. Olhe, para o seu filho, dê atenção. Você é a mãe. Ajude. Ensine. Eduque. Explique tudo com carinho e lembre-se sempre: ele não tem a sua idade.

18 Comentários

  • André

    Ah Sarinhaaaaaaaa!!!
    Como eu estava precisando ouvir isso!!
    Vc deve ter visto que logo cedo marquei Luca né?!
    Na verdade, marquei com intuito de “concordar” com o que ele me diz há tempo e eu, talvez por acreditar naquele velho ditado “santo de casa não faz milagres” e que SIM, era assim que funcionava…
    Tá, não vou mais ficar aqui no blá blá blá apenas te agradecer pelo post de hoje!!
    Xêro

    PS- deveria ser #paisnareal e não maenareal!! 😉

    • Sarah Eleutério

      Que bom, André!!! Façam isso, sim. Tenham paciência com esses dois pimpolhos de vcs. Bjo!!

  • laize galdino

    Oi boa tarde , me chamo Laize e tenho uma filho de 1ano e 7 meses me emocionei com o seu texto, me vi em todas as situações pois acabado fazendo a mesma coisa com o meu pequeno e me arrependo tanto depois que perco a paciência, as acho que não sou uma boa mãe e isso me doe muito, por que amo ele mais que tudo só que me estresso com tudo que ele faz. Ler seu texto fez com que eu mudasse meu pensamento, e a partir de hoje vou tentar agir de outra ede maneira com ele .

    • Sarah Eleutério

      Laize, não diga que você não é uma boa mãe. Só em ter se emocionado com um texto assim você é uma ótima mãe!! Na verdade, flor, ninguém sabe a receita de ser mãe. A gente erra aqui e acerta ali o tempo todo. Não se culpe por não ter paciência em alguns momentos. Todas nós passamos por isso. Mas se você pelo menos quer mudar isso e quer entender que seu filhote é muito pequenininho e que ele precisa de sua ajuda – e não de seus gritos – já é um ótimo começo. Muito boa sorte e parabéns por se preocupar com seu pequeno. 🙂

  • Cláudia

    A milha filha precisa muito de ajuda até maruei ela nesse texto a minha netinha não escuta da birra toda hora e um chororó só principalmente

  • Veridiana

    Olha me chamo Veridiana e tenho filho de 3 anos e sou muito estressada e não tenho paciência com o meu pequeno com tudo que ele faz eu grito falo alto mais me arrependo muito pois ele e minha vida lendo seu texto vi a você falou tudo que eu precisava escutar obg e lembrando que meu filho tem muito lundu e eu realmente não sei mais lhe dá com isso mais obg por essas lindas palavras.

  • Jessica

    Me chamo Jessica tenho minha bebê de 1ano e 3 meses…
    Esse texto mexeu muito comigo. Preciso ter mais pacientes com minha pequena.

  • Cíntia

    Gratidão, Agradecida, Axé, Namaste, Amém… mto obrigada mesmo… <3

  • Dani Goltara

    Olá, tenho uma filha de 1 ano e 9 meses, e muitas vezes me vi nessa situação, principalmente com copos de água. Kkkk, e como todo ser humano soltei aquele grito chamando seu nome e só disse, Não pode vai ficar de castigo. Acho que a maternidade é tão intensa que a mínima coisa causa essa irá em nós, muito bom o texto, eu ainda procuro fórmulas mágicas para lidar com esses episódios , mas vou seguir seu conselho, e tentar contar até 10…kkkk….

  • Inalvete

    Bom dia! meu nome é Inalvete, tenho uma filha linda de 1 ano e 9 meses, que amo mais que tudo nessa vida, me identifiquei com todas as situações citadas no texto, e confesso que me emocionei, pois parecia que você tinha escrito ele só pra mim sabe? As vezes me estresso com coisas tão pequena, e grito com ela, e o arrependimento é imediato. Obrigada por me abrir os olhos e me lembrar que ela não tem a minha idade.

    • Sarah Eleutério

      Que bom, Inalvete! Isso que acontece com você é comum a todas as mães. Todas nós passamos por estresses na maternidade. Mas é sempre bom parar para refletir e tentar ser mais paciente. Parabéns!

  • Claudia Regina

    Estava mesmo precisando desses conselhos posso assim dizer,preciso ter mais paciência com a minha pequena Sarinha sua chará,muito obrigada.

    • Sarah Eleutério

      Oh, Claudia. Que bom!! Beijão pra você e sua Sarinha linda! 🙂

  • Ianna Lustosa

    Olá! Essa postagem me lembra de um episódio com meu filho mais novo de 03 aninhos: fui explicar para ele não mexer nas tomadas, pois levaria um choque e ele retornou ao ato, várias vezes até eu explicar que o choque doía e machucava muito. Moral da história: não sabia o que era o “choque” e que machucava. Adorei a postagem, parabéns! Abraços e felicidades para sua família.

  • regiana

    amei seu site obrigado!por compartilhar com nós mamães!
    a partir de hoje mudarei a forma de cuidar das minhas filhas…
    ameiiii

  • natalia

    oi meu nome é natália tenho uma filha de 2 anos e 7 meses, estou numa situação muito difícil pra mim,porque não sei o que fazer, eu passo o dia trabalhando, a noite quando chego em casa, vou fazer as coisas e mau tem tempo pra ela. sei q ela que atenção, ela faz tudo pra chama minha atenção, chorar, jogar as coisas no chão…eu estou ficando muito estressada, grito com ela e as vezes ainda bato nela com chinela… me arrependo, e sei que é errado, mais ñ consigo me controlar, sei que sou uma pessima mãe, mais amo minha filha, e não quero q ninguém fale mal dela…pq todos dizem que ela é muito rebelde. eu já fiz os quadro de deveres e regras no inicio deu certo mas agora ela tá do mesmo jeito… peço muito a Deus sabedoria e paciência, você foi um luz que Deus mandou obg. agora vou tenta explicar a ela o porquê das coisa. bjs

    • Sarah Eleutério

      Oh, Natalia. Que bom que você percebeu isso a tempo. Sua filha é muito novinha, flor. Entenda que ela não sabe das coisas, ela precisa de uma mãe que a ajude, que a dê a mão e ensine a vida. Parabéns. Você deve ser uma mãe linda. Procure ter mais paciência sempre. Essa boneca precisa de você!!

Faça um Comentário

    Topo