sexta-feira 26 de Fevereiro de 2016

Educar sem gritar

Categoria(s): ,

5D8D9599-7BF8-4CED-98E3-44EDBD0C0FE6

Aí você pergunta: “E isso é possível? Não dar nem um gritinho? Nem naquele momento em que a criança faz uma super trela e você já está exausta?”. Bem, se é possível ou não vai depender de você, mamãe. De sua paciência e, principalmente, de sua filosofia.

Sim, filosofia. E foi essa a que eu escolhi para criar meu filho: educar sem gritar. Na verdade, como toda a nossa (minha e do pai) educação com nosso filho sempre foi na base do diálogo, nunca precisamos gritar. A gente explica e ele entende. Quando não entende e ainda assim quer fazer o que quer, a gente é firme, mas sempre com muito carinho.

Bastou um dia, um único dia, em que eu, já sem menor paciência, disse num tom mais alto: “Você vai tomar banho sim. Já chega!”. E, no mesmo momento, ele me olhou e devolveu exatamente no mesmo tom e ainda batendo a mãozinha em mim: “Vou não!”. Opa!! Parei na hora. Alguma coisa estava errada. Eu nunca tinha presenciado um único tom agressivo por parte de meu filho e aquilo me assustou. Procurei ajuda, psicólogos, li muito e entendi que o filho é o reflexo do que somos. Preste bem atenção: do que somos, e não do que ensinamos.

Sabe aquilo de não adiantar muito você proibir seu filho de tomar refrigerante se você própria toma? Educação é exemplo, e não puro ensinamento. Educar é ser, simplesmente. Você tem certeza de que precisa dizer, ao entrar no elevador, “filho, diga bom dia!”? Não, você não precisa. Você só precisa dar bom dia às pessoas. Pronto, seu filho já aprendeu que é assim que temos que ser com as pessoas quando entramos no elevador.

Eu tenho que ser para meu filho tudo o que eu quero que ele seja no futuro. E então eu e meu marido resolvemos ter como filosofia aquilo que já acreditávamos e aplicávamos: educar sem gritar. Educar com exemplos e não com imposições.

Tem horas que é difícil mesmo! A gente precisa respirar, contar até dez e voltar a conversar. O que acontece é que muitas vezes o filho só quer atenção. Ele faz uma trela porque quer ser ouvido. Quando os pais dão atenção a seus filhos isso deve acontecer com menos frequência ou não acontecer. E tem mais: muitas vezes é só cansaço, mamãe. Ou fome. A criança fica irritada a medida que vai ficando cansadinha e tende a desobedecer mais, ou fazer o que quer, jogar objetos no chão, enfim. Você está prestando atenção nela? Está parando para ouvir o que ela tem a dizer? E quando você diz “não” é só “não” ou com a explicação do porquê do “não”?

Bem, de qualquer maneira, é preciso entender também essa questão de “dar atenção”. De acordo com a psiquiatra Rackel Martins, o “dar atenção” não quer dizer priorizar o filho sempre. “Isso também não é bom. Dar atenção é procurar conhecer as suas necessidades. Não necessariamente suas vontades”, alerta a psiquiatra.

Já fui questionada por amigas sobre como ter tanta paciência sempre, mas o meu maior incentivo é o resultado do que estou vendo em meu filho, um menino carinhoso, atencioso, que respeita e entende o que dizemos. Claro que ele ainda é muito novinho – tem dois aninhos só – e muita rebeldia ainda pode vir pela frente, mas só em não presenciar agressividade nele, já nos basta. Quando uma criança está chorando por perto, ele fica tão preocupado que é capaz de entregar o próprio brinquedo para ver a criança sorrir. A tristeza alheia o aflige e isso eu não ensinei. Ao receber algo, ele diz “obrigado”, e isso eu não ensinei. Muitos pais se preocupam com crianças que não dividem os brinquedos. Mas isso é natural. É da idade, ele vai aprender. Se o exemplo em casa é de pais que dividem as coisas, que agradecem, que se tratam com carinho, ele vai aprender. E você não precisa ensinar. “As crianças são indivíduos dotados da capacidade de compreender, conforme sua idade, as situações de vida”, complementa Rackel.

Tem que ter paciência? Ô, bota paciência nisso! Mas a gente respira e pensa “O que eu quero ensinar para meu filho? Que valores eu quero que ele carregue?”. Isso nos estimula a colocar nossa filosofia em prática. Ser firme, sim, quando precisa, mas gritar, jamais. Apenas sendo o exemplo. Pode ter certeza, mamãe, ele vai aprender.

foto2

117 Comentários

  • Josivania

    Oi, eu erro muito nisso grito com meu filho quando estou sem paciência, e o resultado disso é uma criança nervosa e chorona. Ele já tem 2 anos será que ainda dar tempo consertar?

    • Sarah Eleutério

      Claro!! Sempre há tempo. Procure continuar firme quando precisa, mas evite os gritos. Tudo o que você faz seu filho imita. Lembre-se disso. Bjo!

  • Priscila Alves

    Adorei o post, estou passando por isso grito de mais com meu filho pois so assim as vezes ele para, ele só tem 1 ano e 5 meses apenas, alguma dica pra mim obrigada

  • carini machado

    Perfeito!!!! Precisava ler isso para aprender..onde eu estava errando.

  • Thayna

    E quando o bebê só tem 1 ano e 3 meses ? Porque o meu não entende um não ? to passando pela pior fase a do se jogar no chão jogar o que ver pela frente confesso que as vezes ele me estressa tanto que acabo gritando.

    • Sarah Eleutério

      Ele se chega no chão para chamar a sua atenção. Ignore. Tente conversar baixinho e explicar porque ele você diz não. Explique tudo. Com o tempo ele entende. As crianças só fazem birra porque a gente dá espaço para isso, não se esqueça. Boa sorte, flor!

  • Michele

    Adorei a matéria, é isso que penso sobre princípio de educação. Sempre na conversa, nada de gritos!!! Minha bebê é novinha 09 meses, por enquanto sem problemas né!!? Rsrs

  • Poliana Alves

    Olá, tenho dos filhos 6 e 3 anos de idade. Eles estão em fases diferentes e brigam muito. O mais velho nunca me ouve sempre está em algum tipo de tecnologias TV, tablet. É às vezes só gritando para ele ouvir. O mais novo é mais tranquilo mais já observo algumas atitudes de nervosismo por pequenas coisas. A maior parte de minha culpa é meu tempo com eles que é curto. Alguma sugestão para melhorar o convívio entre eles é minha parceria? Obrigada.

    • Sarah Eleutério

      Poliana, o maior problema não é o curto tempo que temos com o filho, mas a qualidade desse tempo. Se vocês ficam juntos por tão pouco tempo, procure ao máximo fazer com que esse tempo seja proveitoso. Paciência é sempre o melhor conselho. Procure entender porque você grita com seu filho. O que ele faz para você precisar gritar. É por que será que ele faz isso? Procure entender seus filhos e perceber suas necessidades. Boa sorte!!

  • Catia Almeida

    Pra mim é um exercício diário, nem sempre venço. Acredito que gritar é péssimo em diversos aspectos. Resolve na hora, depois é pior. Às vezes usamos como referencia a criação que tivemos, definitivamente agora mudou, essa geração reage diferente de nós na época, eles questionam e avaliam comportamento. Gritar não resolve, adia e atrapalha.

  • Kelly

    Excelente dica, ultimamente aderi essa metodologia, mas raras vezes dou um berro com meu bebê de 2 anos e 10 meses. Sei que conversando de olho no olho na mesma altura ele tem mais facilidade de entender a lição, mais a paciência é minha aliada todos os dias. E nossa como é difícil criar educar uma criança, temos que agir com a razão, ter pé firme, pois caso contrário eles são tão inteligentes que acabam nos dobrando. Agir sem dúvida com firmeza senão nosso desequilíbrio envolve outras situações, como no meu caso meu relacionamento com marido. Fica a dica?

  • Sandrielle

    Tenho 2 filhos um de 2 anos e 9 meses e i outro de 4 meses…
    É uma luta o mas novo é muito manhoso e o mas velho muito trelosinho não obedecê de jeito nenhum.. Eu.falo.10.vezes choro as vezes pq perco a paciência.. Fico doidinha não tenho tempo pra nada.. Me ajudem

    • Sarah Eleutério

      Sandriele, tente manter a calma. Se você diz não ter tempo para nada, talvez seja esse o problema. Quando a vida da gente é muito corrida, a gente acaba querendo fazer na pressa as coisas com nossos filhos, mas os pequenos necessitam de tempo, de serem ouvidos, de respeitarmos o tempinho deles. Pode parecer mentira, mas eu acordo às 5h30 da manhã para levar meu filho na escola às 7h. Fico pronta em meia hora e passo uma hora para fazer as coisinhas dele com calma, o banho, o leitinho, tudo no tempo dele. Exigir um banho assim que a criança acorda é demais. Pense nisso, de sua vida não está corrida demais e se não está sobrando tempo de menos para os filhos. Ouça seus pequenos. E busque ser mais paciente. Bjo!

  • Keila Santos

    Meu filho tem 5 anos e as vezes quer me infrentar e tenho estado muito sem paciência queria que ele fosse treloso mas fosse obediente porque trelar e normal e fase o que faço?

    • Sarah Eleutério

      Keila, seu filho deve estar tentando te enfrentar porque você o trata assim. Se ele age com certa rispidez com você, perceba se você não está sendo dura demais com ele. As crianças nos testam sempre, procuram os nossos limites. Se você perde a paciência e acaba fazendo o que ele quer, ele entende na hora que basta agir assim com você que você cede. Ter paciência com criança não é fácil. Não é mesmo! Mas só assim a gente consegue transformar crianças malcriadas em crianças calmas. Procure ser mais tranquila com seu filhote. Se disser não, é não é pronto, mude de assunto, não dê bola para as manhas, ele vai perceber que a birra que ele faz não vai adiantar nada. Boa sorte!!

  • Tamiris Silva

    Tenho 2 filhos, um de 7 anos que é mais calmo, e uma de 4 anos, que tira minha total paciência, na verdade eu acredito que nasci sem essa tal da paciência.
    Ela não obedece, coloco de castigo, grito e muitas vezez chego a bater…..muitas vezes eu falo ” não faça isso” ela vai e faz
    Quando saiu de casa, deixo eles com alguém de confiança, mas toda vez que chego vem sempre uma lista de coisas que ela fez! Juro que não aguento mais..
    Preciso de ajuda!

    • Sarah Eleutério

      Tamiris, sua pequena parece estar querendo chamar sua atenção. Só isso. Ela quer seu amor, seu carinho, sua compreensão. Quer que você vibre com alguma conquista dela, que você sente no chão para brincar. Será que você faz tudo isso ou sua falta de paciência não a permite? Flor, escute seus filhos, as necessidades deles. Se você grita e bate, só está ensinando que é assim que se consegue as coisas, com grito e violência. E isso vai ser péssimo para eles no futuro. Quando sua filha fizer uma malcriação, sente junto, converse, explique e fale baixinho. Com o tempo você vai se surpreender com as reações deles, quer apostar. Não bata não, flor. Não grite. São muito novinhos e só precisam de amor, de ensinamento, de exemplo. Seja um. Bjo!

  • Gleice

    O que fazer quando dizemos não várias vezes à criança, conversamos e ela continua fazendo? Pois ela está nos testando, então qual o próximo passo? Até porquê o as vezes é na frente de outras pessoas e causa constrangimento.

    • Sarah Eleutério

      Gleice, esqueça as “outras pessoas”. Se você acha que está agindo certo com seu filho, não tem porque se preocupar com o que os outros estão pensando. Os filhos nos testam, sim. E você tem que continuar dizendo não. Mas principalmente explicando porque. Ele quer pegar algo de vidro e você acha perigoso? Explique que além de quebrar, pode machucar. Explique que vai doer. Tudo tem que ser explicado. Mas também é importante não dizer “não” com tudo. A criança precisa de uma certa liberdade, de testar, de fazer, precisa dessas experiências. Só diga não para o que é realmente necessário.
      Ele insiste na rebeldia? Mude de assunto. Meu filho é novinho e isso funciona. Eu digo não, explico porque, mas se ele insiste, eu encontro outro assunto que vai interessá-lo. Seja criativa. E que o grito não seja alternativa nunca! 🙂

  • Geisielly

    Já minha irmã só quer o que ela quer e na hora que ela quer, eu tento mudar isso mais minha mãe não ajuda.. As vezes ela me tira do sério, as vezes grito, quando ela quer uma coisa e minha mãe não dá ela começa a se esperniar, aprendeu a se jogar no chão agora. O que posso fazer para tentar mudar isso. Ela tem apenas 2 anos e 2 meses ??

    • Sarah Eleutério

      Geisielly, se sua irmã esperneia para conseguir o que quer, certamente é porque no fim das contas alguém acaba fazendo sua vontade, tenha certeza! Sei que é difícil e a gente perde a paciência mesmo, mas procure não gritar. Violência só gera mais violência e ela ficará ainda mais birrenta e brigona. Converse com sua mãe sobre isso. Não precisa dizer “não” com tudo, até porque a criança precisa se liberdade, precisa de atenção e de deixarem ela fazer as coisas. Mas o que realmente não pode, aí sim você diz “não”. Mas “não” tem que ser “não”. Não pode voltar atrás e é preciso explicar (com carinho e atenção) porque você está dizendo não. Tentem ser mais pacientes e não ceder nunca depois de um não. Quando você cede ela aprende que é só espernear que ela consegue o que quer. Boa sorte, flor!

  • MIDIAM

    Meu filho tem 1 ano e 1 mês e algum tempo ele bate no nosso rosto e morde bastante.
    No aniversário dele ele mordeu duas crianças , fico morta de vergonha as pessoas falam que é uma fase que vai passar, mais até quando?
    Eu já reclamei, já dei tapinha na boca, já segurei os braços dele pra não fazer mais nada resolve.
    O meu marido às vezes consegue com que ele não faça. Além do mais ele é muito treloso, se ver o ventilador ligado vai lá ficar apertando no botão , reclamamos mais ele olha fica rindo e continua apertando ?.
    Não sei mais o que fazer.
    Pra piorar moro numa casa onde as pessoas são bem mais velhas então pra educar tá complicado.

    • Sarah Eleutério

      Oi, Midian! Você precisa explicar as coisas para seu filhote, e não reprimir com tapas ou gritos. Você tem certeza de que ele entende qual o problema de morder as pessoas? Em algum momento você já explicou isso para ele?? Dar um tapa na boca não vai educar, ao contrário, só vai ensina-lo que é com violência que se consegue as coisas. Segurar os braços? Por que? Olha, o que você tem que fazer é chegar pertinho dele e, com o maior carinho – mesmo depois de um mordidão daqueles – explicar porque aquilo está errado. Explicar mesmo, dizer que dói nas pessoas, que machuca. É importante você repetir palavras como “doer”, “machucar”, “perigoso” quando ele cai ou se machuca, para ele entender o que são essas palavras. E poder associá-las quando você as citar. Você tem certeza de que ele sabe qual a gravidade em apertar o botão do ventilador? Tem certeza mesmo? Alguém já explicou para ele ou só gritou “Saia daí”, “Eu já falei que não pode!”?? Você já disse a ele que é “perigoso”, que pode “machucar” e que ele vai chorar muito? Explique, flor. Não espere que seu filho saiba das coisas, não ache que ele tem a nossa idade e entende o perigo das coisas. Para ele é apenas uma brincadeira. É preciso conversar com a criança. Se ele vai dez vezes no ventilador, converse com ele dez vezes, cada vez num tom mais sério, mas com carinho e sem gritar. Mostre no computador fotos de crianças chorando. Diga “Está vendo? Elas machucaram o dedinho no ventilador. O ventilador não é um brinquedo, é muito perigoso”. Explique. Explique tudo. E sobre as mordidas, seu filho tem exemplos de violência em casa? De gente gritando com gente, de agressividade? Evite brigar com qualquer pessoa quando estiver perto dele. As crianças captam tudo!! E são nosso reflexo. Bater na boca é pedir para ela continuar ainda mais violenta. Pense nisso. Tenha paciência. Lembre-se que ele é muito novinho para ter nascido sabendo de tudo. Você é a mãe. Ajude. Ensine. Eduque. E boa sorte!

  • Katarina Pitombeira

    Excelente post! Tenho relido quase todos os dias como uma forma de incorporar. Rafa muito cedo foi levado a neuro porque com 6 meses ele entrava em apnéia de forma intencional e chegava a desmaiar. Isso aconteceu inúmeras vezes e o diagnóstico: BIRRA! Esse foi o diagnóstico inicial do pediatra, não conformada que uma bebê tão pequeno pudesse agir assim, levei a uma das melhores neurologistas da cidade e ela me deu a mesma conclusão. No final da última consulta, ela me olhou nos olhos e disse: “Mãe, você ainda vai voltar aqui, mas não hoje… Mais na frente. Fique de olho no comportamento do seu filho”. Pronto! Pirei! Ele realmente é uma criança bem espoleta e tem muito da minha cabeça quente, mas com ele tenho aprendido que podemos fazer diferente. Muitas vezes me vejo com os olhos fervendo de impaciência e vejo que ele também vê esses meu olhos. Sofro em pensar que ele não está vendo aquela mãe amorosa e sofro mais ainda por achar que não estou contribuindo pra que ele seja uma criança cada dia melhor. Sei que a vida nos caleja um bocado e nos faz ser quem somos, mas o amor de mãe nos transforma e nos faz decidir ser diferentes. Agradeço demais esse seu artigo e tenha certeza que continuarei lendo até que se faça verdade em minha casa.

    Obrigada.
    Beijos, Kata

    • Sarah Eleutério

      Oh, Kata, que coisa linda. Eu confesso que muitas vezes a paciência fica no limite e tenho vontade de gritar. Mas eu paro e penso no que eu estou contribuindo para a educação do meu filho fazendo isso. Consigo achar a paciência não sei de onde e explico mais uma vez porque ele não pode fazer aquilo que está fazendo. Que bom que isso te tocou também. Seja amorosa sim, seja paciente sim. A parte mais difícil é você própria aceitar que quer tomar a decisão de ser uma mãe mais amorosa e paciente. Isso você fez. Então pode deixar que tudo vai fluir. Parabéns pela mãe linda que você é. Bjooo!

  • flaviane valdivino dos santos

    meu filho tem tres anos e as vezes eu brigo com ele pq ele n sabe o que ta fazendo

  • flaviane santos

    adoro meu filho mas as vezes ele tira minha paciencia

  • Larice machado

    Gostei muito do seu post e lendo ele percebi q estou errando muito com os meus filhos pois grito demais com eles
    E é verdade q só basta os exemplos para eles aprender
    Obrigada por abrir meus olhos

  • Inalvete

    Nossa! Muito bom esse post, minha filha tem um ano e 10 meses, e realmente as vezes é bem difícil segurar pra não gritar. Mas tenho buscado cada dia mais informações como estas, e confesso que tem me ajudado bastante, tenho melhorado muito, pois eu sei que o diálogo é o melhor caminho.

  • juliete cardoso

    oii

  • juliete cardoso

    oi achei lindo o post muito interesante tou passando um momento dificil com meu filho ele tem 3 anos e eata muito teimoso e brabo tudo q falo ele diz nao e desobedece o q falamos pra ele, briga com os amiguinhos quer bater em todo mundo nao sei por que ele ta assim, confeço q isso mim deicha bastante nervosa q acabo gritando com ele, mim separei a pouco tempo do pai dele e acho q ele ta revoltado sera q é esse motivo da sua rebeldia?o q eu faço? beijo

    • Sarah Eleutério

      Juliete, você precisa de ajuda, flor. Precisa cuidar de si própria para poder conseguir cuidar de seu filhote. Ele não está julgando suas atitudes por ter se separado do pai, mas com certeza ele está sentindo tudo isso. Cuidado para não descontar nele as suas frustrações. Seu filho está teimoso porque ele quer atenção. Quer uma mãe que o escute e converse, e não alguém que grita sem explicar os motivos. Procure ser mais paciente e separar os problemas que estão aí no seu coraçãozinho da atenção que você precisa dar a seu pequeno. Boa sorte!

  • GEYSA SANTOS

    Olá adorei o post!
    Já estou tentando ficar sem gritar com meu pequeno Arthur, pois como vc mesmo disse somos exemplos. E já percebi que quando converso com ele a reação é outra muito mais favorável!!!

  • amanda

    OIE EU ANDO MEIO DESESPERADA MEU FILHO TEM 08 MESES E JÁ FAZ BIRRA GRITA FICA NERVOSO EU E MEU MARIDO ESTAMOS EM UMA FASE DIFÍCIL BRIGAMOS MUITO E NISSO GRITOS VAI GRITOS VEM NO CASO DA MINHA PARTE PORQUE SOU MUITO ESTOURADA, VEJO QUE MEU FILHO FICA ASSUSTADO E NERVOSO CHORA QUANDO GRITO MAIS EU NÃO CONSIGO ME CONTROLA GOSTARIA DE AJUDA URGENTE

    • Sarah Eleutério

      Amanda, seu filho precisa de ajuda, sim, flor. Mas além dele, VOCÊ também precisa. Para termos paciência com o filho precisamos antes de tudo estar bem. Procure ajuda, procure resolver seus problemas. Muitas vezes quando gritamos com a criança, nem foi tão grave assim o que ela fez. Nós é que estamos cansadas e no limite e acabamos descontando delas. Evite brigar com seu marido ou com qualquer pessoa na frente de seu filho. Ele está crescendo assustado, num mundo violento e isso gerará consequências para ele no futuro. Pense nisso. Procure separar seus problemas da atenção que você precisa dar a esse pequeno. Ele é muito novinho. E precisa muito muito de sua ajuda, da mamãe dele.

  • Dedeap

    Interessante! É difícil ler ou ouvir que mães seguem este método. Meu filho tem três anos e meio. Há um ano tivemos uma reunião na escola com a psicóloga. Na verdade foi uma avaliação que é realizada com todos os alunos e passada para os pais. Ela nos perguntou como reagimos em casa quando ele insiste em algo e não é a hora certa. A resposta foi imediata: nós conversamos! E eu perguntei se esse comportamento era adequado. E a resposta foi: se vocês tiverem muuuuuuuuita paciência em manter este tipo de filosofia, não há problema algum. Acontece que a maioria das pessoas sempre estão cansadas demais ou sobrecarregadas demais e acabam descontando em seus filhos. O que acontece na verdade, é que eles só precisam de atenção, ensinamento e muito carinho! O diálogo é a forma mais pura de encontrar o melhor caminho para o crescimento, tanto dos filhos como aprendizes quanto dos pais como educadores!

  • Raisa

    Amei o post, costumo orientar os pais que recebo sobre a diferença de dar atenção e mimar, de dar atenção e satisfazer vontades; como também busco sempre incentivar a construção de uma relação empática, pautada no dialogo e compreensão. Amei mesmo encontrar isso aqui, já que hoje em dia assistimos a disseminação de uma ideia errônea de que o melhor é ignorar e punir a criança… E ler o comentário da DEDEAP bateu em cheio em mim, porque ouvi da psicóloga da escola do meu filho que essa minha “ideologia” estava errada e que eu deveria sempre ignorar, sou psicóloga também, e trabalho na mesma área que ela, saí super chateada, e bem decepcionada com a escola, porque meu filho já não queria ir mais pra escola de jeito nenhum, era um transtorno e eu fui só pra saber o que estava acontecendo,e sai com essa de lá. E olha que a neurociência tá toda em cima dessa questão do afeto, da paciência, da tranquilidade e de como isso afeta positivamente o cérebro e o desenvolvimento humano, e ainda tem profissionais que ignoram isso…

    • Sarah Eleutério

      Que bom, Raisa!! Pois é, essa é minha filosofia e não abro mão dela!! 🙂

  • Michele

    Nossa…adorei…Tava precisando de ajuda mesmo! As vezes perco a paciência com minha filha de 1 ano e 9 meses e acabo gritando e quando não resolve dou uma palmada,mas depois me sinto péssima!

  • Vanessa Rodrigues

    Eu não tenho mais paciência,tenho três meninas 13/11 e 3 anos,um marido totalmente estressado,grito muito,porque é a maneira que encontrei de não bater.Converso,explico,mas parece que não adianta,não sei mais o que fazer,tenho vontade de sumir.

    • Sarah Eleutério

      Vanessa, como suas meninas são mais crescidas, talvez não seja mesmo tão fácil mudar agora a maneira como lida com elas. Mas tenha calma. As mais velhas já entendem se você conversar. Diga que elas precisam colaborar. Converse com muito carinho com elas, diga o quanto você as ama, mas que precisa dessa colaboração. Gritar para não bater não é muita coisa, entende? Você está sendo agressiva do mesmo jeito, ensinando a violência verbal. Você pode ser firme como mãe, mas sem precisar levantar o tom de voz, sem agressividade. Se a conversa não tem adiantado, talvez seja a hora dessas filhotas terem punições, do tipo ficar sem internet, sem brincar… Procure ajuda, um psicólogo, para primeiro arrumar essa sua cabecinha que está muito confusa e estressada. Você precisa se cuidar para cuidar de sua família. Beijo, linda. E boa sorte!

  • Josiane

    Estou seguindo voces a alguns dias e tentando utilizar as mesmas tecnicas, confesso que é dificil mais nada impossivel, tenho uma filha de 03anos de 3meses ela fica na escola o período integral e quando chegamos em casa ela só quer atenção, tipo colo nada que faz ta bom e etc…começei mudando minha rotina quando chego ao inves de ir cuidar do que tenho que fazer dedico minha atenção apenas para ela, brinco, converso, conto historias e assim vai e esta dando super certo apos esse periodo com ela cheg ahora de durmir entre 20h00/20h30min e faço minhas coisas sem stress e com ela super bem.
    Uma coisa que nos incomoda muito e o ciumes exagerado que ela tem, ela é arrodiada de primos e o mais novo tem apenas 01ano onde essa prima dela esta e uma tortura ninguem pode pegar que ela entra na frente, nao pode fazer nada com a bebe que ela ta chorando, tudo que ver de outras crianças quer igual e etc… caso tenha alguma dica para nos passsar eu agradesço desde ja! 🙂

    • Sarah Eleutério

      Que bom que conseguem dar a atenção a ela! Mas sobre o ciúme dela, saiba que você é quem pode mudar isso. Se você larga tudo porque ela está chorando “com ciúmes”, entenda que ela sabe como conseguir sua atenção: chorando. O que você precisa é ignorar isso. Conversar com ela com carinho e explicar que você a ama. Mas vocês não podem deixar de pegar outras crianças por conta da chantagem dela, entende? É pura chantagem, sim. Ela não está sofrendo. Vai sofrer é lá na frente, achando que o mundo gira em torno dela e que todos precisam dar atenção somente a ela. Quer ajudar sua filhota? Ajuda muito ensinando a ela que isso pode ser dividido. Pense nisso. E não deixe que o drama de sua gatinha garanta a ela atenção exclusiva. Imagina se vier um irmãozinho pela frente? …

  • nadia

    eu grito muito com minhas meninas uma de quatro anos e outra de 11 meses pois eu sou muito nervossa queria muito melhorar mas nao sei por onde comezar, passo por varios problemas financeiros e desconto tudo en quem nao tem culpa…

    • Sarah Eleutério

      Você já está começando, Nadia: entendendo e aceitando que a culpa não é das suas meninas, mas do seu estresse. Pense nisso e lembre-se do quanto suas filhotas são pequenas e precisam de VOCÊ, de sua atenção. E lembre-se também que gritar com os filhos é como uma bola de neve, eles ficarão cada vez mais agressivos e “respondões”. Procure ser mais paciente, sim. E boa sorte!!

  • Erica Porto

    Adorei o post. Ele me ajudou a entender que gritos são desnecessários. Meu filho completou 2 aninhos e, reconheço que grito demais com ele, que vivo sem paciência. Percebi que com esta atitude ele passou a gritar muito também. Sei que na verdade tudo o que ele quer é um pouco de atenção, que eu me importe menos com os afazeres domésticos e me dedique um pouco mais a ele. Obrigada por compartilhar sua experiência. A partir de hoje gritos serão proibidos aqui em casa, afinal de contas, não posso tratar desta forma o meu pequeno grande amor, a pessoa mais importante da minha vida.

    • Sarah Eleutério

      É isso mesmo, Erica!! Parabéns e boa sorte para essa família linda!

  • Vanessa

    E quando o filho já tem quase 7 anos e você errou sempre. Sempre procurou fazer o melhor, mas sempre perdeu muita paciência e sempre gritou. E agora? Não é tarde? Afinal, ele já tem quase 7.

    • Sarah Eleutério

      Oi, Vanessa. Bem, como não sou psicóloga, não sou a melhor pessoa para te ajudar. Mas uma coisa eu sei: nunca é tarde. Você pode sim passar a introduzir o diálogo mais presente na vida de vocês e começar a parar de gritar. Procure explicar melhor as coisas a seu filho. E, se for o caso, procure uma ajuda terapêutica. Nunca é tarde para dar atenção, carinho e oferecer o melhor a seu filho. Boa sorte, flor!

  • Michele

    Desculpe, fico com receio de vir aqui e ser mal entendida. Não quero criticar nenhuma forma de educação. E concordo que com gritos não se educa uma criança. Mas, os pais precisam ter sim, uma voz firme (voz firme não é grito), exercer a autoridade sobre o filho. O não precisa ser não. E as vezes vejo mães educando o filho de forma que a criança pode fazer tudo o que desejar, possuem medo de repreender o filho, ou sei lá o que, e essa atitude está criando em nosso mundo, crianças sem limites, sem educação e respeito pelo outro. Entendo o que o post quis dizer, e até concordo. Porém, quando leio “sem nenhum grito” penso que tb é requerer demais, é deixar a mãe se sentir culpada, quando no fundo não seria essa a intenção. Um grito não tanto mal assim.

    • Sarah Eleutério

      Isso mesmo, Michele! E é o que eu seeeeempre defendo aqui no blog. O “não” é necessário. E quando ele é dito, não se pode voltar atrás. Ter voz firme de vez em quando é essencial!! A autoridade precisa existir, sim! A única coisa que eu critico é gritar e bater, entende? Mas é possível sim ser firme e até colocar de castigo quando necessário, sem gritar. Parabéns pelo seu comentário. É isso mesmo! Bjo!

  • Flavia

    Muito legal o post. Eu também não grito e nunca bati no meu filho. Ele tem 1 ano e 6 meses. É um menino muito levado e arteiro. Quando chego no meu limite deixo ele no berço com um brinquedo, dou uma volta na casa pra respirar e volto conversando explicando pq eu saí. Eu converso muito com meu filho. Se for preciso falo mil vezes a mesma coisa. Tudo com muito carinho e amor. Minha filosofia é não faço com ele o que não gostaria que fizessem comigo. O meu filho é inocente e por mais que outras pessoas o amem ele só tem a mim.

  • Kelly

    Boa noite!
    O meu maior problema é esse, perco a paciência e acabo gritando. Eu não bato nele pq acho q é pior ainda, não sou a favor de dar uns tapinhas….enfim…
    Ele tem 10 anos e sempre conversei com ele, mas de uns anos pra cá ele tem ficado meio rebelde… com o que vc escreveu pude perceber o pq ele tb grita quando eu digo não.
    Mas de verdade, tem uns meses que tenho tentado, me esforço para parar de gritar com ele, pq ele tá bem sensível qnd eu grito e acaba gritando tb….será que tem jeito de eu melhorar e ele tb??

    Bjs

    • Sarah Eleutério

      Claro que tem jeito, Kelly! O principal você já tem: a consciência de que os gritos não ajudam, eles são apenas reflexo de nosso cansaço. Mas procure ter mais paciência mesmo, conversar mais. Se for preciso, seja firme, dê castigo, dê punição (tirar o computador ou um brinquedo que ele goste). Os crianças precisam de limites. Mesmo sem gritos e sem tapas, precisam de limites. Isso também é amar, isso também é educar. Boa sorte!

  • Indiana Caunni

    Gostei e muito da matéria tento fazer o mesmo com a minha filha, principalmente quando percebo que ela já está irritada, falo baixo, explico tudo mas as vezes grito.
    Ela tem nove meses.
    Gostaria de saber apartir de que mês você começou a aplicar essa técnica ou se sugeri uma idade( mês de vida) apropriado?
    Bjs

  • Andréa Francisca Fernandes Barbosa

    Boa tarde!

    Meu nome é Andréa e tenho dois filhos, um de 2 meses e outro de 7 anos. O meu filho de 7 anos dá muito trabalho para comer, além de ser seletivo na alimentação (somente come arroz, feijão e ovo ou linguiça calabresa). Todo dia a dificuldade é grande para comer, ele não para na mesa quieto, senti vontade de fazer xixi, depois côco e sempre inventado desculpa, nisso passa umas duas horas para comer. Já dei todo tipo de remédio para ele abri o apetite, mas nem um resolveu. O que posso fazer? Se eu não ficar vigiando ele joga a comida no lixo e diz que comeu tudo. Lembrando que não ocorreu isso depois que o outro pequeno nasceu, antes dele nascer ele já era assim.

    • Sarah Eleutério

      Andréa, você pode pensar em fazer, desse momento da alimentação, algo mais lúdico. Nenhuma criança gosta de sentar e comer. Nenhuma, pode apostar. Seu filho não é o único. Algumas mães deixam o filho assistir a um desenho animado ou jogar algo no celular ou tablet para se distrair enquanto a mãe coloca dá o almoço, ou jantar. Outra opção é deixar a comida mais atraente, fazer bonequinhos com a comida ou dizer que é a comida preferida do homem-aranha ou do personagem que ele mais gosta. Mandar o filho sentar para comer, como numa obrigação, é chato mesmo. O ideal, flor, é você conversar com uma nutricionista, ou pediatra, para te orientar sobre quais os alimentos mais importantes para ele nesta fase – já que está comendo pouquinho – e também falar sobre quantidade. Elas podem inclusive te ajudar sobre as estratégias para dar a comidinha dele. E lembre-se também que com sete aninhos a criança já tem suas preferências, seu paladar mais apurado. Tem coisas que ele realmente não gosta. Nesse caso, procure o que ele mais gosta de comer e não dê à força o que ele não se agrada. Mas é difícil mesmo, não pense que as outras crianças são fáceis de comer. É algo chato porque muitas vezes os pais param a brincadeira para a hora da refeição (e, vamos combinar, nenhuma criança quer deixar a brincadeira para ir comer). Tente unir o útil ao agradável e enfeite mais essa comidinha. Cá pra nós, eu já cheguei a dar Inhame (o pessoal no Sul chama de “mandioca”) com duas bolinhas de cereal colorido em cada colher, simulando os olhinhos. Fica divertido! Boa sorte! 🙂

  • gisele melo

    nossa me emocionei agora, pq eu grito o tempo todo com o davi ele tem apenas 3 anos de idade e depois q a giulia (4 meses) chegou eu fiquei totalmente perdida pq ele era adoravel, simpatico uma criança q todos queriam estar perto e agora ele se transformou, quando estamos sozinhos ele é exatamente essa criança q eu acabei de descrever mas quando recebo visitas ou saímos para passear eu passo muita vergonha pq ele me chinga faz birra e tudo mais quando chega a noite faço um balanço do meu dia e fico arrasada pq a maior parte do tempo ao inves de estar in love com meu pequeno eu só gritei e fico muito mal por isso.

  • jussara

    amei

  • Erika Duarte Pagotti

    Ola, tenho uma filha de 11 meses e um filho de 2 anos e meio. Ando bem cansada e consequentemente nervosa. Tenho plena consciência de que não devo gritar, nem bater, mas as vezes cometo esses erros. Minha bebê grita muito, eu já conversei com ela, acredito que se eu for falando, mesmo ela sendo ainda novinha, ela poderá entender. Converso com meu filho também, mas as birras ainda acontecem. Pretendo colocar muito mais em pratica tudo que você explicou! Obrigada!

  • Cris Coelho Xavier

    tenho dois filhos um menino de dez anos e uma menina de oito anos, grito demais ex.: peço a eles uma coisa eles nao fazem ai ja viu grito pedindo para eles fazerem.
    preciso colocar essa lema em pratica de não gritar

  • DVM

    Bom minha filha fala muito ja vou nada é hora que eu peço, não gosta de tomar banho e é viciada em televisão.
    Tenho a vida corrida e acabo educando a maioria das vezes sozinha, gosto de sair com ela para passarmos o dia juntas e conversar, mais brincar fico um pouco sem tempo.
    Ela esta quase do meu tamanho e as vezes tem me enfrentar com 8 anos ai tenho que me impor.Gostaria de convencê-la a me obedecer mais fico sem paciencia e falo que ela é obrigada a isso. Me ajudem

  • Nelcineia Rocha da Silva

    Oi boa noite meu nome é Nelcineia tenho dois filhos uma de 2 anos e outro de 4 anos o meu maior erro é que grito demais e não tenho paciência a minha filha menor é muito choro na e o maior é muito teimoso e eles brigam demais me umas dicas por favor de como melhorar isso em casa obrigado

  • Alinne melo

    Olá tenho 4 filhos, de 11, 10, 5 e 3 anos, tenho alcançado bons resultados na questão comportamental deles, exceto de um. O de 5 anos, é lindo, saudável e extremamente desobediente, procuro não ficar rotulando-o, para que ele desenvolva mais suas boas qualidades que as ruins. Mas ele me dá muito trabalho, para comer, tomar banho, dormir, interagir com os irmãos, primos, e etc. fico extremamente cansada, de tanto conversar e termino o dia gritando e sinto-me péssima qdo isso acontece, ás vezes sinto que ele quer estar no controle, e devido ao cansaço deixo pq já não quero mais brigar, reclamar, enfim, o humor da casa gira conforme está o dele. Não sei o que fazer.

  • Cecília

    Meu bebê tem 8 meses e já vejo muita impaciência nele e sei que isso veio de mim mesma. Mas lendo esse texto quero pensar que isso ainda dá tempo de corrigir. Também sempre fiquei horrorizada com a criação do grito e quero muito não fazer assim com meu filho.

  • Lorena Castro

    Mto bom , tenho dois meninos ( gêmeos) e pretendo fazer o mesmo para c els . Acredito que assim seja a melhor forma de criar e educar, pois esta mto difiícil.
    Obrigada pelas dicas .

  • Fernanda

    Tenho duas filhas, uma tem 6 anos e a outra 1 ano e 5 meses.
    Erro muito com a mais velha pois acabo descontando o desgaste do dia-a-dia e com a pequena em cima dela.
    Meu marido também não tem paciência com ela, grita muito, não sabe conversar, vejo que ela busca a atenção dele e por isso desobedece.
    Ela também está na fase do PORQUE, e isso tira ele do sério, pois ela faz muitas perguntas!

    • Sarah Eleutério

      Marcela, talvez seja uma boa você ter uma conversa com esse pai, explicando a ele que é preciso entender que as crianças estão descobrindo o mundo e a ajuda do papai e da mamae nesse processo é muito importante. Peça para ele ler a nossa postagem “Seu filho não tem a sua idade”. Você também precisa entender isso, flor, e não cobrar dessas pequenos o que a gente cobraria de um adulto. Ouça mais o que elas querem dizer, dê mais atenção quando elas perguntam algo. Elas precisam de ajuda e vocês dois são as melhores pessoas para isso. Bjão!

  • Andreza

    Nossa q matéria, amei. Infelizmente tentei não gritar, mas gritei muito, descontava as frustrações q estava passando com o marido nele, estou tentando ser mais calma, ele tem 3 anos e meio mas já levo ele na psicóloga, estamos melhorando mas ele ainda é bem irritado tadinho, me culpo muito por isso. Mas gostei muito da matéria.

  • Ceiça

    Tenho dois filhos um de 6 e o outro de 3 e queria muito que o mais velho fosse unido com o menor, que demonstra muito amor e divide as coisas com ele. Grito com eles também principalmente em momentos de estresse, queria muito mudar o jeito de lidar com eles por que só me escutam quando grito. desde pequeno tento cria-los na conversa mais não consigo.

    • Sarah Eleutério

      Ceiça, criar filho não é fácil. Não mesmo. Mas preste mais atenção nesse seu filho mais velho. Ele não divide coisas com o mais novo mas isso é comum. Ele sente pode sentir ciúmes desse irmãozinho que chegou para dividir a atenção dos pais. Não force a barra, talvez o que ele preciso é de apenas mais atenção sua. Procure fazer programas só com ele em alguns momentos. Dê mais carinho e mostre que ele também é muito amado. E não exija muito do bichinho. Pode parecer grandinho comparado ao irmão, mas ele só tem seis anos. Converse sempre. Esqueça os gritos. Gritos só ensinam aos filhos que é assim que devemos tratar as pessoas. Ensine coisas melhores ao seu filho, porque pelo visto você é uma boa mãe e quer o melhor para eles! Bjo!!

  • Roseli P Cunha

    E quando os filhos já estão na faze quase adultos … que já não foi educados na infancia esta forma.. como fazer para que eles respeitem conversem sem gritar alterados..
    ?

    • Sarah Eleutério

      Roseli, antes de mais nada, você própria precisa respeita-lo. Os filhos não precisam respeitar o pais só porque são seus pais. Eles precisam respeitar como pessoas, assim como nós também predisamos respeitar as crianças como pessoas. Por isso o grito é fora de cogitação. Você não grita com as pessoas na rua. E não o faz porque você as respeita. Com os filhos precisa ser a mesma coisa. O diálogo é sempre o caminho. Ainda mais quando já são quase adultos, como você está falando. O grito e as palmadas geram justamente isso: quando os filhos crescem, não respeitam os pais e gritam com eles, porque aprenderem que é assim que devemos tratar as pessoas, entende? Procure conversar mais com seus filhos, procure saber das necessidades dele, o que eles estão querendo e porque estão gritando. Às vezes o que precisam é de atenção. Dá atenção dos pais, de sentir neles um porto seguro, sentir confiança. De isso a eles, carinho e respeito. E não gritos, ok? Pense nisso, tudo pode mudar se você está disposta a isso. Bjo!

  • luana viviani

    oi tbm grito mto com meus filhos mas foi um metodo msm que errado mas que axei p eles me obedecerem queria mudar isso pq hj em dia eu me incomodo com isso tenho vergonha mas nao consigo parar
    vou tentar as tecnicas que li aki vou mudar tudo em kza quero que eles crescao calmos pois sao mto agitados gritao mto nossa de mais
    mto obrigada

  • Kalina Emanuella

    Tenho um filho de 3 anos, hoje fui em uma reunião escolar e me deparei com uma situação que me fez me sentir a pior mãe do mundo, ele é muito carinhoso, muito, muiiiiiito elétrico, difícil chorar, difícil fazer manha, super independente (as vezes gostaria que ele me chamasse mais para as coisas) e totalmente decidido. Porém eu não tenho muita (quase nada) de paciência com esse comportamento dele, então acabando gritando muito para ele obedecer as minhas regras, pois não gosto do ato de bater para me respeitar, mas descobri da pior maneira que os meus gritos muda o comportamento dele lá fora. A professora disse que ele não é agressivo, porém não obedece e chama os amigos para bagunça e fingi não ouvir quando ela lhe chama. Como posso começar a mudar esse comportamento dele?

    • Sarah Eleutério

      Kalina, você mesma já sabe a resposta, minha linda. Você mesma entende os males de educar com gritos. Você mesma está percebendo que reflexos isso traz para a criança em seu convívio social. Ninguém precisa de gritos para respeitar os pais. Ao contrário. Quando eles crescerem, perceberão que são donos do próprio nariz e que seus gritos não mais ajudarão a fazê-los ouvi-lá. Percebe isso? O segredo é conversar, sempre. Com carinho e muitas vezes com a voz firme. Imponha e diga que é assim que precisa ser. E explique porque. Mas nada de grito. Não ensine a seu filho que é assim que se consegue as coisas lá fora. Respire fundo e eduque com mais paciência. É difícil, mas eu faço assim: sempre que chega no meu limite e eu estou a ponto de gritar, eu paro e imagino o meu filho agressivo com as pessoas na rua, tratando-as com grito. Respiro mais uma vez, me abaixo na altura dele e converso. Funciona. 😉

  • Elis Marques

    Não é mesmo fácil ter paciência, mas devemos tentar aprender a desenvolvê-la. Isso ajudará não só nossos filhos, mas a lidarmos melhor com outras situações.
    Essas criaturinhas lindas têm muito a nos ensinar, nós é que muitas vezes não percebemos as oportunidades, e só vemos como problemas, com irritabilidade.
    Ser mãe não é fácil, mas temos muito amor pra melhorarmos muitas coisas, agirmos com mais sabedoria, pra que possamos cultivar e ver crescer frutos lindos, de qualidade.
    Tenho depressão, não consegui ainda me tratar (graças ao sistema público de saúde), não é fácil manter a calma, pois quem tem essa doença é mais sensível, mas não me acomodo nesse problema, e sim luto, se precisar, xingo mentalmente… (a louca! kkkkkkkkk)
    Minha filha merece o meu melhor, pois ela é um presente, Deus confiou a mim pra cuidar e amá-la, então, penso que o amor tem que ser muito maior que a ira, e o sacrifício de hoje, compensará e muito amanhã, sem contar que é uma vitória cada vez que vejo ela tendo bons hábitos, refletindo o que ensino ou algo bom que ela vê em mim, ou ao receber elogios. Não tem preço!! 😀
    Bora praticar, mãezinhas (isso me inclui também)! 😉

  • kelle

    ola! tenho um filho de 4 aninhos e ele é muito teimoso na questão de comportamento, eu não consigo ficar com ele por muito tempo em nenhum ambiente como festa de aniversario, na missa e etc.. quando ele não grita ele não senta e assim eu não tenho ânimo para sair com ele pra lugar nenhum.

  • Luiz

    Desculpe a minha ignorância mas o que é “Trela”? o que é “Trelosinho”? De onde é essa expressão? Aqui dar “trela” é dar ouvidos ou dar “papo” dar conversa (para quem não merece). “Ahh… Não fica dando trela para fulano não! Ele está é com inveja/ ciumes/despeito/”

    • Sarah Eleutério

      Oi, Luiz. Aqui no Nordeste, trelar é fazer travessuras. Uma criança trelosa é o mesmo que desobediente, algo assim. 😉

  • Ideneide Medeiros

    poxa que matéria ótima tava precisando mesmo minha bebe tem dois anos e eu grito perco a paciência com ela mas valeu mesmo irei começar a mi corrigir

  • ALINE ORMINDO

    Nossa muito obrigada, estava realmente precisando ouvir tudo isso, sou muito nervosa e não tenho um pingo de paciencia com meus filhos, tenho 3 filhos um de 9 um de 3 e a de 2 idades dificeis um na pré adolescencia e dois pequenos de quase a mesma idade. Muito dificil trabalho o dia todo e quando chegamos em casa meu Deus começam as gritarias, eu paro choro muito mais nao dao 5 minutos ta tudo de novo, e realmente eles querem minha atenção, vou tentar sim me acalmar … minha casa parece uma loucura todos falam auto e todos gritam até mesmo as crianças… muito triste. sinto envergonhada mais agradeço pelas palavras. Vou mudar pq é exemplo que muda. E claro que quero um futuro lindo para meus filhos..
    que Deus abençoe grandemente abraços . Aline Ormindo

  • Daniella Zanotto

    Parabéns pelo post. Tenho uma filha maravilhosa de 5 anos e nos últimos meses ela tem estado mais teimosa comigo. Estou de 8 meses de gestação, nos mudamos de estado, o pai está distante devido ao trabalho. Estou agindo com impaciência as vezes com ela muitas vezes por influência e cobranças de familiares que estao convivendo agora com nossa presenca. Sei que isso tudo é novo pra nós duas. O comportamento dela é reflexo do meu. O dia que estou bem e tranquila ela também está. O importante é ter consciência das nossas ações e corrigir. Minha filosofia sempre foi manter a calma, dar amor, conversar e explicar sempre, quantas vezes forem possível. Sua reflexão me fez parar para pensar que eu tenho que continuar mantendo o equilíbrio e agindo sem permitir a interferência de ninguém.

  • Fabiana Aparecida Bettoni

    Meus filhos , uma de 5 anos e menino 3 anos um grita com outro pra ver quem, manda mais eu cansei de gritar, pois eu batia e gritava ao mesmo tempo mostrando quem manda sou eu, mas nao tive resultados bons, hoje ta dificil agora estou tentando entrar o diálogo mas ta dificil o que vc pode me orientar, o menino pergunta porque nao explico mas continua fazendo a menina digo vai tomar banho ela fala tempo inteiro não, ontem a noite disse conversando com ela sentada em meu colo. Falei filha chega de falar nao a mamãe ta pedindo porque todos os dias precisamos tomar banho ou fazer tal coisa. Difícil meu marido grita ainda estamos tentando mas nao sei o que fazer.

  • ANDRÉIA RODRIGUES

    Nossa, estou até arrepiada com o que vc escreveu!! Sou bem assim, e como é recíproco. Meu filho tem 3,5, é um doce de criança mas em determinados momentos acabo gritando e ele devolve do mesmo modo. Mas me esforço cada dia para melhorar ainda mais.

  • Isabe Cristina

    Bom dia! tenho um filho. de 1 e 4 meses ,quando li essa matéria ai foi que tive a certeza de que eu estou cometendo um erro pois sou muito estreada e isso está deixando ele do mesmo jeito preciso de ajuda para reverte esse quandro.pois sou muito impaciente.

  • Danielle

    Oi. Boa noite, a poucas horas minha amiga que mora comigo falou sobre sermos espelho para o nosso pequeno(a) tenho uma filha de 1 ano e 7 meses, ela eh nervosa assim como eu, mas tambem muito amorosa, eu nao bato nela, apenas brigo, mas brigo com ela no grito, mas isso so ocorre quando estou ocupada, ela nao pode me ve fazendo nada que vem chorando atras e so para se eu parar pra pegar ela, acabo gritando, pois as vezes preciso terminar o almoço ou arrumar casa. Algum conselho?

    • Sarah Eleutério

      Sabe por que ela faz isso? Porque você faz exatamente o que ela está pedindo: que você pare o que está fazendo para ficar com ela. Ela não pode pedir as coisas no choro. Você tem que dizer que está ocupada e que agora não pode. Mas entenda que ela é muito novinha ainda. No início ainda vai continuar chorando até você ceder. Mas não faça isso. Não precisa gritar, seja carinhosa, só não faça as coisas quando ela chora. Com o tempo vai entendendo. Boa sorte!

    • Sarah Eleutério

      Dani, evite gritar com sua filha porque sua amiga está certa: somos espelhos para nossos filhos. Ela vai aprender que é no grito que se resolvem as coisas. Sobre você não ter tempo para as coisas da casa, você precisa explicar a ela que nesse momento tem outras atividades que precisa fazer. Se você não ceder, e continuar fazendo o que precisa, com o tempo ela vai entender. Mas você precisa ser firme e não ceder. Fora isso, você separa os momentos de ficar com ela? De brincar com ela? O que ela quer é sua atenção flor. Ela só precisa entender que você também tem outras coisas que precisa fazer. Por isso precisa explicar que naquele momento não pode. Mas diga que assim que terminar vai brincar com ela. E tem que brincar mesmo, viu? Boa sorte, flor!

  • Tatiana Frois

    Amei a matéria,
    Mês que vem ele completa 3 anos .
    Sou totalmente contra o grito, já falei mais alto sim com ele,porém na hora me reestabelesso e volto atrás
    Isso tem feito do meu filho uma criança calma , doce ,educada e tão amável, Me orgulha ser mãe dele .

  • syara

    eu erro muito nisso grito com meus filhos uma tem 4 anos e o outro tem 3 anos sera que dá tempo mudar esse quadro? meus filhos são muito desobedientes.

    • Sarah Eleutério

      Claro que dá, Syara! Sempre há tempo. Procure entender mais seus filhos, escutar mais o que eles têm a dizer e, de maneira clara, com carinho mas com firmeza, diga o que pode e o que não pode. É um jogo de paciência sim, mas você consegue!!

  • Claudia Paz

    Muito bom. .. gostei de ler estas dicas vai me ajudar a educar minha bb

  • Kelly Malek

    oi boa tarde, meu filho tem 9 meses eu acredito que a criança nessa idade entende um pouquinho, ele esta muito pirracento, tudo o que quer mexer e ao ver que é perigoso eu digo nao, nao pode, mas ele inciste e rir de mim :(. Eu tive uma infancia de espancamento, e coloquei no meu coração que nao quero isso para meus filhos, preciso saber como faço para diminuir os “naos” que passo quase o dia todo falando para ele.
    Obrigada!

    • Sarah Eleutério

      Minha flor, seu filho é muito novinho ainda. Que bom você ter optado por não bater em seu filho. O que ele precisa é de sua ajuda, para aprender cada vez mais o que é certo e o que é errado. As crianças estão sempre testando a gente. Não se chateie com isso, faz parte. Continue com muito carinho explicando sempre o que é certo e o que é errado e entenda que seu filho ainda vai te desobedecer muitas vezes. Mas confie que vai dar certo. Tenha firmeza na hora de reclamar, mas sem gritos, sem bater. Carinho sempre. Boa sorte e conte sempre que precisar!!

  • Michely

    Bom! Adorei esse post ,mas queria q vc me ajudasse da seguinte forma:minha filha tem 2 anos,e ela gosta muito de bater e morder nas outras crianças
    Eu converso e explico pq n pode bater
    Mas mesmo assim n er o suficiente
    O q posso fazer agora me ajude por favor!

    • Sarah Eleutério

      Michely, normalmente as crianças que mordem estão só querendo chamar atenção. Procure refletir se você dá atenção a sua filha. Se você responde quando ela pergunta, se você a escuta. Procure conversar mais com sua filha, ser mais carinhosa e atenciosa. Mas quando precisar ser firme seja, quando disser “não” não volte atrás. Mas isso não precisa ser feito com grito. Escute mais sua filha. E vefirique se há pessoas que agem com violência perto dela (gritando ou batendo). As crianças nos copiam. Se você gritar com ela, ou com o pai dela ou parente próximo, estará ensinando que é com violência que se consegue as coisas. Boa sorte!!

  • Maria Solange Vieira

    Amei a matéria
    Tenho três filhos um de 8 6 anos e um bebe de6 meses
    os maiores não obedecem sempre na hora que peço algo tipo tomar banho preciso mandar várias vezes
    o de 6 anos é super agitado e tinhoso e me dá muito trabalho e não aceita muito um não como resposta mesmo explicando o pq o que devo fazer para que eles me obedecem sem eu te que mandar fazer algo várias vezes ? E principalmente se estão no computador TV ou celular.

    • Sarah Eleutério

      Maria, você já foi criança e deve se lembrar que parar a brincadeira para tomar banho é muito chato! Kkkkk. As crianças vão sempre brigar para não tomarem banho. O meu tem três anos e eu sempre falo para ele escolher um brinquedo para levar para o banho ou chamo de maneira mais atrativa: “vamos fazer bolinha de sabão no banho?”. As crianças precisam do lúdico para se interessarem por qualquer coisa. Tente pelo menos garantir que depois eles vão brincar mais um pouco. Quando o meu não quer de jeito nenhum, eu falo com mais firmeza que precisa tomar banho, vou tirando a roupinha dele e explicando, mesmo com ele se esgoelando que não quer ir. Falo com carinho e levo mesmo assim. É difícil, mas eles precisam entender que não vai haver negociação. Se seus filhos percebem que eles acabam ganhado o que quererem chorando, eles vão continuar fazendo isso. Quando eles perceberem que não terá jeito e que você levará para o banho de todo jeito, com o tempo vão aceitando. Boa sorte!

  • Ângela Maria da Silva Costa

    Matéria excelente. Tenho uma criança de 5 anos mais as vezes ele é tão teimoso que acabo não falando grito logo e ele ficar com medo.Será que ainda posso mudar?

    • Sarah Eleutério

      Claro que pode, Ângela. Nossos filhos só insistem quando sabem que a gente acaba cedendo. Procure não dizer “não” para tudo. Mas quando disser, não volte atrás. Tente conversar mais e não gritar. Os filhos nos copiam. Se você gritar, ele vai tentar gritar mais alto. Isso não terá fim e você vai acabar perdendo a paciência e querendo bater nele. E lembre-se: hoje você é mais forte que ele, um dia você não terá mais controle sobre nada. Então entenda desde agora que esse não é o caminho. Seja mais carinhosa, mas seja firme quando precisar. Sem gritos. E quando disser “não” é “não”. Não volte atrás, ou vai colocar tudo a perder. Boa sorte, flor!

  • Maria

    Meu filho tem 3 anos e um meses i eu grito muito com ele. Ele já quer gritar mais alto q agente aqui em casa. No ensinar ser mais firme ainda da tempo de insinar.

  • Maria

    Mi ensinar ser mais firme com meu filho. Ainda da tempo de insinar?

    • Sarah Eleutério

      Maria, gritar com a criança só ensina que é assim que se resolvem as coisas. E é claro que seu filho vai gritar cada vez mais alto, você está ensinando isso a ele. Os filhos nos copiam. Ser firma não significa gritar, significa não voltar atrás. Se você diz “não pode fazer isso”, lembre-se de explicar a ele porque não pode. E isso pode ser feito com carinho, sem gritos. Mas com firmeza. Se você acabar cedendo porque não aguenta vê-lo chorar, coloca tudo a perder. Evite dizer tantos “nãos”, mas quando disser, não volte atrás. Sempre há tempo de ser firme com o filho, sim. Os limites são importantes. Boa sorte!

  • Paula

    Me ajudem meu filho tem medo de mim grito muito, ele se afastou hj estou nos sogros e ele nao quer mais dormir comigo, meu sogro fala q sou otima mae mas por conta da minha outra filha eu fiquei muito estressada, hj comecei a parar de gritar passei a dar atencao e falar com calma mas tem vez q eu ainda grito com ele preciso conquistar o amor do meu filho

    • Sarah Eleutério

      Paula, antes de tudo, entenda uma coisa: seu filho não deixou de amar você. Preferir, no momento, ficar com os avós ou outras pessoas não significa amar mais essas pessoas. Mãe é mãe. Mas você realmente precisa dar sentido a essa palavra. Ser mãe não é gritar. Que bom que agora tem essa consciência de querer dar mais atenção. Qual a idade de seu filho? Os pais não precisam gritar para impor respeito. Não é pelo medo que seu filho vai te respeitar. Você só precisa explicar o que é certo e o que é errado. Tente resgatar essa criança para perto de você. Dê carinho, dê amor, dê atenção, brinque com ele. Boa sorte!!

  • Leticia

    Minha filha tem 3 anos e ela viveu com a minha mãe por 3 meses eu me casei com um homem que não é o pai dela, ela é muito mimada e não aceita não, ela está em uma fasemana Onde grita de mais para conseguir o que quer e isso me tira do serio as vezes chego a bater nela pois o meu esposo insiste que ela tem que ter medo de mim do assim vai me respeitar, eu entrei nisso só que não vejo resultado fazendo isso é me sinto cada vez mais mal, não acho que bater Seja certo. Até pq ela chora mais e me deixa mais nervosa e ela é bir rentabilidade se vc bate ela faz de novo só pra mostra que ela não tem medo de apanhar e ele me cobra de mais nessa parte não sei mais o que eu faço pq se eu falo que não vou mais bater nela ele diz que não vai adiantar e fica ameaçando ela de bater nela se ela fizer manha ou se ficar gritando

  • Cinthia

    Aqui em casa tá bem complicado…
    Tô passando por uma situação bem difícil com minha filha de 2 anos e 4 meses,tô pensando até em procurar ajuda psiquiátrica…
    A minha filha chora muito e grita muito,mais muito mesmo..Eu acabo perdendo a paciência e bato e grito tb! Pois não adianta nada do que eu faça,ela acaba me tirando do sério..Amo demais minha filha,e queria muito mudar esse meu jeito,e quero que ela mude tb! Me ajuda,por favor!

  • Bruna

    Meu filho tem 2 anos e 5 meses , e eu grito demais eu nao Bato , mais ameaçou mto dizendo que vou bater mais nao tenho coragem, ele nao me respeita em nada por mais que tento manda ele nao me obedece acabo gritando e as vezes mando ate ele calar a boca , eu tenho uma bebe de 5 meses to tentando fazer ela dormir e ele nao paro e vou me extressando e acabo descontando mais ainda nele mais com gritos e ameaças eu amo meu filho mais vejo que estou fazendo mal pra ele sem querer … Eu nao sei como fazer com que ele me obedeça pq ate na base do grito nao está adiantando mais

    • Sarah Eleutério

      Bruna, ameaçar bater e não bater não resolve seu problema. Se não vai bater, não ameace. Seu filho percebe que isso é da boca pra fora e aí quem controla a situação é ele, e não você. Faça o que tem que ser feito. Se precisa ser mais firme e colocar de castigo, faça. Pai e mãe não podem só ameaçar. Precisam pensar no que deve ser feito e fazer. Que bom que você não bate nos seus filhos. Também acho que não é o caminho. Mas toda criança precisa de disciplina. E se é difícil ela entender isso na conversa, é preciso ser mais firme mesmo. Para crianças mais novinhas, gosto do castigo que tira sua diversão. Se está brincando com algum brinquedo que gosta muito e faz alguma desobediência, eu tiro o brinquedo. Tente esses caminhos. Não ameace em vão, porque seu filho sabe que você não vai cumprir com a palavra. Boa sorte.

  • Thais

    Ola,estou precisando de uma orientaçao se possivel. Meu filho tem 8anos e ele ja sofreu muito vendo brigas meu ex marido me batendo e eu acabava sempre descontando meu nervosismo nele tratandoo mal eu tive ele ao 15anos e vejo nele meu reflexo um menino nervoso impaciente sò fika de cara fechada mas ele ė um bom filho nao da trabalho na escola respeita os outros mas eu tenho medo q esse nervosismo q ė ixagerado faça com q ele sofra no futuro.tive depressao pos parto quando tive ele ė devido a isso tambem eu nao consegui dar o amor nessessario a ele.eu me vejo nele quando ele grita com os ermaos dele por pouca coisa o que devo fazer ele esta com 8 anos ainda consigo ajudar meu filho pois sei ele precisa de ajuda.obrigado

  • maria

    mim ajude por favor minha filha tem 10 anos ela e otima quando ela quer cumpri com suas tarefas agora quando ela nao quer nao tem acordo converço com ela ai ela fica olhando pra mim com a cara mais sinica ai isso mim mata dou umas palmadas coloco no castigo tiro oque ela gosta mais ela nem sim importa ai fico louca com isso por que qualquer criança quando tirar o que ela gosta entra em disispero mais ela nem liga pra nada mim ajude ai mim passe umas dicas por favor.

Faça um Comentário

    Topo