sexta-feira 25 de julho de 2014

Marinheiros de primeira viagem

Categoria(s):

Essa semana eu relembrei os tempos em que meu filhote era um recém-nascido. Acabaram de nascer alguns pimpolhos na família e pude acompanhar com essas mães o quanto é difícil essa fase inicial. Se você está grávida, saiba que vai ser mais difícil do que você pensa, porque não é só uma questão de acordar cansada no meio da madrugada para dar de mamar e trocar fralda. Prepare-se para passar pelos, talvez, dias mais difíceis de sua vida. Isso porque tudo é novidade. Tudo! Para você e, principalmente, para o bebezinho que está chegando ao mundo.

Poucas mães compartilham as dores de ter um bebê. A parte boa você já sabe: que é o amor mais forte que alguém pode experimentar. Você sabe que vai ficar babando seu pequeno e sabe que vai sentir felicidade por ter gerado um filho. Mas não sabe que, ao mesmo tempo, vai sentir exaustão. Vai estar com dores (pela cirurgia e dores nos seios), vai sentir a cabeça cansada da mesmice, louca para sair de casa nem que seja para ir ao supermercado (e NADA DE LEVAR O BEBÊ, viu? Não pode!!).


No entanto, mais que essas dificuldades, que a gente até desenrola, são as novidades para quem é mãe e pai pela primeira vez. De repente seu bebê, que mal tem um mês de vida, começa a chorar. Chorar alto, se esgoelando. Chega a ficar vermelhinho e até dobra as perninhas como se estivesse “morreeeeendo de dor”, você pensa logo. Daí, você coloca em seu peito (mesmo que não tenha leite, só pelo afago mesmo), conversa com ele bem baixinho, bem calma, e ele começa a se acalmar. Se botar no berço, volta a chorar, mas no seu colo ele se aquieta. Pode apostar: não era cólica. Não era dor.

Uma vez uma pediatra me disse “Dor não passa com uma conversinha ao pé do ouvido”. E que danado era, então? Quem sabe! Os bebês choram mesmo. E porque tudo é muito novo para ele. Imagine você, no escurinho do útero de sua mãe, naquele quentinho silencioso e aconchegante. De repente você nasce, e ouve sons mais altos, sente um ventinho frio que corre da janela, não entende porque estão passando algodão e pomada para assadura, não entende onde está e porque não pode ficar 24h por dia no peito da mãe, seu porto seguro. É mole? Qualquer um choraria. E alto!

E o que a mamãe aqui, que também nunca passou por isso com outro bebê, pode fazer? Ficar calma. Só? Sim, somente. É claro que a gente precisa observar se o filho tem febre, se pode ser alguma dor, se há algum outro sintoma. É claro que consultar um pediatra nunca é demais. Mas como muitas vezes – repito: muuuuuitas vezes – o choro é por motivo bobo (com todo respeito aos sentimentos desses pequenos. Em “bobo” quero dizer “nada tão preocupante”) o que você precisa fazer é ter calma. Essa tranquilidade vai ser passada para ele, que vai se sentir seguro e vai pensar “Se mamãe está calma assim, eu não tenho motivo para tanto alarde”. 

Pense sempre numa coisa, mamãe: quanto mais alto ele chorar, mais baixo tem que ser seu tom de voz. Converse baixinho, sua voz acalma o bebê. Coloque em seu peito, porque seu cheiro, seu calor, seu batimento cardíaco, tudo isso acalma seu filho. Ele só precisa dessa segurança. Só precisa de pais tranquilos, mesmo enquanto ele se esgoela. Se você fica uma pilha, etressada, falando alto, pedindo ajuda, sacudindo o menino, isso vai estressar ainda mais seu filho, que vai perceber que “nem mamãe sabe resolver meu problema”. É difícil quando a gente nem sabe porque o bichinho está chorado? Sim, é muito difícil. Mas você precisa entender que ele pode mesmo estar chorado só por uma insegurança e você PRECISA abraçar, falar baixinho, dar carinho e esperar. É batata! Pode apostar que ele vai se acalmar.

Voltando ao “não pode levar o bebê ao supermercado”, lembre-se que seu pequeno, até os seis meses de idade, ainda é muito indefeso por não ter tomado todas as vacinas necessárias. Sair de casa é sempre um risco para ele. Pense numa infecção que ele pode pegar e que, nessa idade, pode até ser fatal. Evite principalmente lugares fechados e com ar condicionado (esses aparelhos são um perigo por guardarem bactérias e vírus). Então os shopping centers, mesmo os que tenham corredores amplos, não são indicados para passeios com bebês.

Minha nossa! Como é difícil ser mãe de primeira viagem, ainda mais porque ninguém nos conta o quaaaaaanto isso é difícil. Mas é sim. Não pense que só você não sabe ser mãe. Ninguém nasce sabendo. A gente vai aprendendo junto com nosso filhote. E esse aprendizado é uma delícia. Mantenha a calma sempre. E lembre-se que é de uma mamãe – e um papai – com segurança que ele precisa.

Faça um Comentário

    Topo