quarta-feira 15 de janeiro de 2014

Deixar o bebê na creche?!

Categoria(s): ,

O bebê vai crescendo e vai chegando a hora de você decidir quem vai ficar com ele, é o caso de muitas mães que trabalham e precisam retomar as atividades. Antes de qualquer coisa, é necessário deixar a criança com alguém de confiança. E isso pode significar ficar com sua mãe, ou um parente, uma vizinha, uma babá ou até mesmo – e por que não? – numa creche.

Quem não conhece como funcionam os berçários – também chamados de hoteizinhos – normalmente têm preconceito em achar que o bebê ficará abandonado nas mãos de pessoas desconhecidas. Mas eu vou te dar aqui uma série de motivos que vão te fazer pensar melhor sobre o assunto. Aliás, eu não. As justificativas são de especialistas na área.

As creches possuem uma estrutura física adequada para aconchegar melhor a criança. Nos hotelzinhos, as profissionais estão preparadas para estimular a criança de acordo com cada fase, com as atividades certas para ela aprender a engatinhar, andar, pegar objetos e se desenvolver melhor. São pessoas habilitadas que sabem lidar com a motricidade. Outro fator que conta nos berçários é o estabelecimento de rotina. Ela é fundamental para a criança, por mais novinha que seja. Nessas casas, existe hora certa para comer, tomar banho, dormir e brincar. Isso deixa a criança mais calma e segura. 


É mais caro que uma babá? Normalmente sim. Uma boa creche custa caro, mas as vantagens são inúmeras. Entre elas, estão a facilidade que a criança passa a ter de socialização e o estabelecimento de limites sociais. Ela certamente vai adoecer um pouco mais do que se ficasse em casa, mas pediatras garantem que a criança está apenas antecipando o que vai ocorrer mais mais tarde, além de estar adquirindo logo imunidade, por conta das bactérias que circularão por todos. Se o seu receio em deixar o filho com a babá é a falta de confiança, no berçario, há várias profissionais, e não apenas uma olhando seu bebê. 

E como saber qual a melhor creche? É preciso visitar pessoalmente os berçários de sua cidade (e quando digo visitar, é para chegar lá sem agendar previamente, viu? É bom chegar de surpresa para ver como os profissionais estão lidando com as crianças). Observe limpeza, higiene e se fica próximo à sua casa ou trabalho. Com o trânsito da cidade, esse é um diferencial importante. Também vale conversar com amigas que deixaram seus filhos em creches, saber com elas quais os prós e os contras, o que acharam, o que não gostaram. 

Procure saber há quanto tempo trabalham lá as profissionais que lidam com os bebês. Certifique-se de que cada criança tem seus próprios objetos, como mamadeira, banheira, produtos de higiene, pratos e talheres, lençóis e paninhos. Circule pelo estabelecimento, vá conhecer a cozinha e ver como se dá a manipulação dos alimentos e se existe acompanhamento de nutricionista. Converse sobre a entrada de pessoas estranhas na creche e como você pode autorizar outras pessoas a buscarem seu bebê. 

 

Quando eu estava fazendo essa pesquisa, ouvi de amigas que tinham filhos em berçários frases como:

“Você vai ver a diferença a cada dia! Quando estiver com seu bebê, vai perceber como ele está se desenvolvendo rápido!”.

“O meu filho hoje – com pouco mais de um ano – come de tudo. Não tem besteira com verduras ou frutas. Ele abre um bocão e se alimenta bem. Isso graças à disciplina do berçario”.

“Se seu filho for para um berçario, ele vai adoecer muito. Se prepare. Adoece mais que o normal. Mas as vantagens são maiores”.

“O melhor que achei foi a confiança que senti naquelas profissionais que cuidam dos bebês. Elas lidam com isso o tempo todo. Não tenho uma babá de confiança”.

“Já coloquei meu primeiro filho lá é agora estou colocando o segundo. Não tenho dúvidas de que foi melhor”.

“É caro – bem caro – mas os benefícios são impagáveis”.


Então, se você está pensando nessa possibilidade, fique munida de todas as informações e vá fazendo sua pesquisa para decidir qual o melhor lugar para deixar seu filhote. É claro que o valor também pesa – umas são mais caras que outras – mas não deixe esse ser o principal motivo de sua escolha. Afinal, você vai estar trabalhando e precisa estar com a cabeça tranquila. E é lá, naquele local e com aquelas pessoas, que ficará sua jóia mais preciosa. Então, fica a dica. Se você tem condições para isso, a creche é uma – excelente – opção. 

9 Comentários

  • Bom dia Sara! <br />Estou com você 100% sobre os berçários. Rafa está desde o 5º mês e não me arrependo um minuto. Come de tudo, dorme super bem, interage bem com outras crianças.<br />Hoje meu Rafa já está com 10 meses e entra sorrindo no berçário. Isso é impagável! <br />Além do desenvolvimento que dá um salto. <br /><br />Obrigada pelo post.<br /><br />Katarina

  • Que bom, Katarina!! 🙂

  • meu filho tem 2 anos e nunca foi pra creche nem particular nem publica pois tenho medo de acidentes, nao de quedas ou mordidas de outras crianças e sim com criança q se engasga com leite e alimentos.. muitas vezes levando a criança a morte por falta de negligencia ou suporte de primeiros socorros… por isso q meu filho nunca foi pra creche. pois meu medo sempre foi dele engasgar e ninguém o

    • Lilian, isso também pode ocorrer com uma babá na sua casa. Mas claro que é uma opção de cada mãe. Se você tem com quem deixar seu bebezinho e acha mais seguro, ótimo. 🙂

  • girlene dos santos neves

    meu filho entrou em uma creche com 1 ano e 3 meses de vida.no inicio fiquei muito chorona com medo que fosse mal tratado.mas logo na segunda semana o meu coraçao se tranquilizou.deixava ele e saia com oculos escuros no rosto so pra chorar e ninguem ve. hoje ele tem 2e 6 na segunda semana ja sabia contar conhecia as cores e comia de tudo.era uma casa e agora se transformou em uma creche,pessoas responsaveis e de confiança…

  • girlene dos santos neves

    ele fica o dia todo na creche de 8 as 18 e aos sábados ate 14 horas, mas sempre pego as 13hs porque ele gosta muito de dormir o soninho da tarde…tem aquele dia que nao quer ir,mas quando chega se solta.conhece o nome de todo os coleguihas,e diz o que comeu e se fez coco ou xixi,eles saem um fofoqueiro de primeira….mas amo e confio.fico despreocupada durante o dia no trabalho.experimente mamaes agora um lugar de sua confiança,nao em qualquer lugar.

    • Sarah Eleutério

      Girlene, só tome cuidado com o pouco tempo que você tem com seu filhote. Repare só: você falou que ele sabe o nome dos coleguinhas, sabe contar, conhece as cores, diz o que comeu… tudo o que aprendeu na escolinha. Mas, e os momentos de casa? Eles precisam ser tão importantes e intensos quanto os da escola. Você não precisa ter cinco horas por dia com seu filho, mas as horinhas que tem precisam ser intensas. Lembre-se disso, de curtir seu filho, de brincar, de sentar no chão, de passear. Não pegue seu filhote já dormindo na escola para levar cedo no dia seguinte. Ele cresce e você nem percebe… No mais, parabéns! Você deve ser uma ótima mãe!

  • Reggie

    You’ve got to be kidding me-it’s so trnteparsanly clear now!

Faça um Comentário

    Topo